Estudo de caso – Construindo uma marca.

  1. Início
  2. Dicas
  3. Estudo de caso – Construindo uma marca.

Nesse post eu vou explicar de forma resumida como eu faço a construção de uma marca. E antes de mais nada, digo que é o meu método, e não é uma regra que a ser seguida ou o melhor método para todas as situações. Mas para mim tem dado muito certo e normalmente meus clientes tem aprovado de primeira a marca que faço. O processo de construção de uma marca não é algo tão simples como muitos acham. Exige muita atenção, criatividade, originalidade e competência. Precisamos ter prática, se sentir cada vez mais seguros e passar segurança e confiança para os nossos clientes. 

O cliente pagou e ele quer resultado, ele quer uma marca que traga bons resultados para ele. E é isso que nós, designers, temos que oferecer. Temos também que administrar o fato de que o cliente muitas vezes ele já vem com uma ideia formada. Ele viu uma marca que gostou e quer uma parecida. Mas nós designers entendemos e precisamos explicar que muitas vezes aquele tipo de marca não será útil e não trará um retorno para ele. E como chegamos a esta conclusão? Pela conversa que temos com o nosso cliente e pelo briefing que ele irá responder.

Marca que criei para a empresa Viex – Viagens Executivas

Após conversar um pouco com o cliente, o meu primeiro passo é o envio do briefing. O briefing pra mim é uma das etapas mais importantes do processo de criação de uma marca. É através dele que nós vamos poder conhecer os nossos clientes e entender o que realmente ele quer e, principalmente, o que precisa. Precisamos fazer as perguntas certas para obtermos as respostas corretas e funcionais para a criação da marca. Caso queira olhar o meu briefing, comente nesse post que eu envio para você.

Além de um bom briefing, precisamos de boas respostas. Não adianta o cliente responder apenas: “sim, não”. Explique antes de enviar o briefing que você precisa de respostas completas, pois a criação da marca depende muito do nível de detalhe das respostas dele.

A partir do briefing, comecei a trabalhar no redesign da marca. De forma resumida o briefing final da Next Ip foi: 

  • Mensagem: Soluções em comunicação convergente e Integração de ferramentas; 
  • Adjetivos: Especialista; Objetiva; Ágil; Responsável; Integradora.
  • Quais características a marca você acha necessário ter na marca? Moderno, clean, divertida, sofisticada, popular ou conservador? Moderna e clean com sofisticação.
  • Que mensagens sua marca deve transmitir para seus clientes? Serviços completos em comunicação convergente e telefonia IP

Com as respostas do briefing em mãos fui para o papel, como sempre faço. Fiz o mapa mental e desenhei muitos, muitos e muitos esboços. Acredito que essa seja uma grande diferença nos serviços prestados atualmente. É por isso que demoramos a entregar  uma marca bem feita e bem pensada. É no rascunho que devemos estar inspirados e não ter medo de desenhar e escrever o que vier na sua mente. É aqui que as ideias começam, e não há ideia ruim!

Mapa mental+rascunhos

Com os rascunhos feitos, vou para o laptop. No laptop eu já tenho uma ideia mais concreta. Não é mais o momento de ficar testando e perdendo muito tempo. Dou prioridade para testar a paleta de cor, tipografia e principalmente deixar a marca alinhada e na proporção. Nunca fui de utilizar a proporção áurea regularmente, mas ultimamente tenho procurado usar e tenho gostado muito do resultado. Acredito que sempre devemos melhorar em nossas técnicas para apresentarmos o melhor resultado para o nosso cliente. 

Com a marca finalizada eu monto uma apresentação para o meu cliente. Nela eu explico cada detalhe da marca e como ela foi construída. A criação da apresentação da marca é uma etapa crucial para a aprovação da marca pelo cliente. É nela que, além de explicar como ela foi criada e construída mostra como a marca se aplica e se comporta em diversos meios e em diferentes tamanhos. Acaba servindo no final como um “mini manual” da marca. Na minha apresentação eu gosto de escrever sobre a empresa, falar o que ela faz, quanto tempo tem no mercado, seus objetivos e missões. E vou fazendo uma forma de storytelling, contando toda a trajetória até chegar ao resultado final. Mostro alguns dos meus rascunhos, qual foi o conceito usado para criar a marca, a utilização dos símbolos, o que ele quer dizer e transmitir. 

Além desses detalhes eu gosto de acrescentar alguns detalhes mais técnicos, para mostrar que a marca foi pensada e não feita de qualquer jeito. Para mostrar que ela irá funcionar em diferentes tamanhos e posições. Então eu colona na apresentação, as possibilidades de assinaturas, paleta de cor, o uso da marca em fundos de cores diferentes.

Enfim, eu chego nos mockups. O legal dos mockups é você usar os que mais façam sentidos para a empresa do seu cliente. Não adianta ficar enchendo de mockup que não querem dizer nada e que o cliente nunca irá usar. Ou usar mockups genéricos, como cartão de visita, uniforme, que a maioria das empresas usam. 

Em resumo, para criar uma marca você precisa ter um bom briefing e, de preferência, com boas e completas respostas, fazer vários rascunhos, passar a ideia mais importante para o laptop, digitalizar e escolher a paleta de cores e tipografia. Após a marca estar pronta, montar a apresentação.

Para ver esse trabalho completo clique aqui

Se você tiver mais alguma dica, comente que acrescento no post.

Caso precise de um bom profissional para a criação da sua marca e/ou da sua identidade visual, para você ou para a sua empresa, basta entrar em contato que estarei a sua disposição.

Espero que tenham gostado. Não deixe de comentar abaixo. Faça bom proveito e se tiver alguma dúvida basta entrar em contato.Siga-me Facebook | Twitter | Behance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu