Está pensando em começar com Design gráfico? Eu tenho algumas dicas que podem te ajudar. Vou falar como foi a minha experiência, como cheguei e me tornei uma designer gráfico. Não sou uma designer gráfico famosa mas busco o meu objetivo, que é atender bem os meu clientes para que eles sempre voltem e me indiquem para outros clientes. Se você está começando e precisa de dicas, esse post certamente vai te ajudar.

Ser Designer gráfico não era o meu sonho de criança, alias eu nem sabia direito o que era e o que fazia um designer gráfico. Minha primeira formação foi em Biomedicina, é isso mesmo! Uma área que não tem nada haver com o design gráfico. Mas sempre gostei muito de desenhar, pintar e tinha como hobby fazer quadros em mosaico. E o que isso tem haver com design gráfico? Nada! Para ser um bom profissional em design gráfico você precisa necessariamente saber desenhar. Precisa ter um noção básica, mas isso eu falarei mais a frente. Voltando ao assunto em que me formei em biomedicina.. é nem eu sei como e nem porque..rs. Nem meus pais atuam na área da saúde, e acho que nem ninguém da minha família..haha. Mas eu queria fazer alguma coisa diferente, achei realmente que fosse ter um futuro me formando em biomedicina.

Mas como fui parar em design gráfico? Tudo começou com um site, meu e do meu marido. Onde vendíamos camisas com o tema nerd/geek. E comecei a me interessar por ilustrações. Eu queria desenvolver algumas artes mais não sabia como, além de querer divulgar o nosso material e a nossa marca. Começamos de uma forma bem precária e com uma marca bem tosca. Nós participávamos de eventos e isso nos dava alguma renda. Estávamos presente nas redes sociais mas de forma bem rudimentar, sem nenhum planejamento. Como estávamos tendo um certo retorno resolvi largar biomedicina e pensar em como poderíamos melhorar o nosso site. Foi então que descobri o design gráfico, a minha paixão.

1ª dica: Sou designer gráfico por saber mexer em softwares?

Não! Design gráfico vai muito além do apenas saber usar determinados softwares. Precisamos ter noção de uso de tipografia, cores, gerenciamento de projeto, conceitos como alinhamento, proximidade, unidade, gestalt ou seja, precisamos ter noção de elementos básicos da composição e da comunicação visual. Não basta fazer uma arte, precisamos saber o porque, ter motivos e dar explicações. Saber usar a ferramenta nos ajuda a resolver o problema que o cliente irá nos passar, sem termos tal habilidade não adianta de nada saber manipular as ferramentas. Você sabendo os principais conceitos de composição gráfica diminui o seu de produção da arte e miniminiza as chances de errar com o cliente e ter mais retrabalho.

turned on MacBook Pro

2ª dica: Portfólio. Devo ter? Sim ou claro?

Portfólio para quem trabalha nessa área de criação, de conteúdo e precisa mostrar o seu trabalho é fundamental ter um bom e atualizado portfólio. Ter um portfólio não é difícil e você não precisa necessariamente ter um cliente. Os trabalhos da faculdade podem ser incluídos no seu portfólio no início da sua carreira. Trabalhos que você fez no curso online, trabalhos que fez baseado em tutoriais na internet, o que seja. Se tem conteúdo e é RELEVANTE, compartilhe com os outros. As vezes nem o seu vizinho sabe o que você faz e ele está pensando em abrir uma loja, fazer uma arte. É assim que começamos. Depois que tiver um portfólio mais sólido, selecione que tipo de trabalho quer. Tenha um foco e um objetivo. Não precisa deixar todos os trabalhos, a medida que você for melhorando, vá selecionado o que permanecerá ou não no seu portfólio. Ah, mas eu não tenho site para divulgar. Comece com o Behance, e o próprio Facebook e Instagram. São ótimos meios de compartilhar os seus trabalhos.

computer screen displaying website home page

3ª dica: Preciso ter a minha marca pra começar?

Olha, se você for trabalhar como freelancer acho fundamental! Pois é uma ótima forma você divulgar a sua marca, o seu nome. Mesmo que você pretenda trabalhar em agências ou empresas acredito que seja importante. É importante que estejamos presente na internet, compartilhando nossos trabalhos e nossas especialidades, mantendo um foco. Nós que trabalhamos com o público precisamos passar confiança, credibilidade e valor. E criar um perfil com um público específico é muito fundamental. Então, acredito que seja válido ter uma marca, nem que seja bem simples e depois vá aprimorando e aperfeiçoando. Lembre-se quem não é visto não é lembrado.

4ª dica: Faculdade, sim ou não?

Não foi fácil eu ter que largar biomedicina, ter que explicar para os meus pais que não era aquilo o que eu realmente queria para o resto da minha vida. Mas eles sempre me apoiaram e pagaram a minha segunda faculdade, agora de Design gráfico. No nosso meio sempre rola uma dúvida entre fazer ou não faculdade. Eu fiz e não me arrependo. Mas é de cada um, eu funciono mais indo ao curso aprendendo na prática, no dia a dia, mas volto a dizer é de cada um. Realmente você não precisa ter formação em design gráfico para se tornar um. Quem tem vontade, foco, consegue estudar de casa e se tornar um profissional excelente. Eu mesma sempre procuro me atualizar, aprender novas ferramentas fazendo cursos pela internet. Mas para mim a faculdade fez uma diferença e se você tiver a oportunidade de fazer eu recomendo. Conhecimento sempre é bem vindo e sem contar que na própria faculdade você já começa um network, já cria projetos onde os professores irão comentar e certamente já poderá criar um portfólio para divulgar o seu trabalho.

woman wearing academic cap and dress selective focus photography

5ª dica: Estágio ou trabalho? É importante fazer?

Bom, eu sou freelancer mas antes de começar como freelancer remota eu trabalhei em uma agência, Na verdade na Secretaria de Turismo do Rio de Janeiro. Tive a experiência de dividir e compartilhar minhas ideias, soluções para projetos. Se gostei? Sim. Valeu a a pena? Sim. Continuaria? Não. Vou citar meus motivos, que não são regras. Infelizmente o principal motivo, acho alguém já passou senão pode passar, principalmente na nossa área é o salário. Salário muito abaixo da média e ainda não tinha benefícios. Enquanto trabalhava eu fazia alguns trabalhos por fora, eu que conseguia manter um renda mensal melhor que o salário, então resolvi sair e me dedicar 100% ao home office. Mas se você tiver a chance, a oportunidade, vale a pena. Pra mim foi bom, porque em alguns momentos pude me impor, mostrar o meu ponto de vista, mesmo eu sendo uma pessoa tímida. Quando você sabe sobre o assunto fica mais fácil de falar e argumentar.

group of people using laptop computer

6ª dica: Leia bastante

É muito bom e importante se manter atualizado com livros, blogs e páginas em redes sociais. Eu estou sempre atualizando minha prateleira com livros novos. Recentemente adquiri o Kindle (leitor de livros digitais) e me facilitou muito a leitura principalmente e noite. O livro te da uma “bagagem” que muitas vezes páginas em redes sociais e blogs infelizmente não te darão. Acredito que com livros você consiga formar melhor a sua opinião, além de melhorar o vocabulário e sua escrita. Independente da área que você atua ter uma boa escrita passa mais credibilidade e confiança. E nós sempre precisamos estar “justificando” nossas escolhas. Por exemplo, vamos fazer um marca e apresentar ao cliente, precisamos defender nossa ideia e na maioria dos casos nos escrevemos. Precisamos ter argumentos, palavras que passem confiança, segurança ou seja, precisamos convencer nossos clientes.

turned on black Amazon Kindle e-book reader

7ª dica: Mesa digital, preciso ter uma?

Olha, eu tenho uma mas ultimamente não tenho usado. Usava mais quando fazia algumas ilustrações para serem vendidas na internet. Não é fundamental e você conseguirá trabalhar normalmente sem ela. Agora, se o seu foco for ilustração, manipulação de imagem onde você ira recortar alguma imagem, acho que facilitará muito a sua vida e o seu tempo de produção. No mercado tem de vários tipos e marcas, basta pesquisar e ver qual se enquadra no ser perfil profissional. Já tive uma Wacon básica, depois passei para a Intus Pro e agora tenho uma Gaomon PD 1560. Então, veja o seu foco, qual o seu perfil profissional para ter certeza de que vale realmente esse investimento.

person using Android tablet

8ª dica:  Preciso ter um computador muito caro?

Depende muito da sua área de atuação. Se for trabalhar com diagramação e precisar somente de softwares básicos não precisa. Mas se for trabalhar com programa 3D, manipulação de imagens, animação e programas que necessitem de muita memória, sim, você precisará de um computador/laptop mais potente. Se puder investir em um computador/laptop com uma boa configuração eu recomendo para evitar futura dor de cabeça, como, o laptop travar no meio de um trabalho e não salvar o seu trabalho.

 

Essas são algumas dicas para quem está começando na área de design gráfico. Não precisa seguir todas as dicas, mas tenho certeza de que você vai fazer bom proveito delas. Algumas delas eu só descobri depois que já estava atuando na área.

Se você tiver mais alguma dica, comente que acrescento no post.

Caso precise de um bom profissional para a criação da sua marca e/ou da sua identidade visual, para você ou para a sua empresa, basta entrar em contato que estarei a sua disposição.

Espero que tenham gostado. Não deixe de comentar abaixo. Faça bom proveito e se tiver alguma dúvida basta entrar em contato.

Referência: Design de identidade da marca

Siga-me Facebook | Twitter | Behance

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu